quarta-feira, 7 de julho de 2010

20 anos sem Cazuza


São Paulo, julho de 2010 – Seu nome era Agenor de Miranda Araújo Neto, mas ele ficou conhecido como Cazuza. Nesta quarta-feira (7), 20 anos após sua morte, a obra do artista permanece viva como nunca. Considerado um gênio da música brasileira que, numa época pós-ditadura, botou o dedo na cara da sociedade, o ex-líder da banda Barão Vermelho começou a dar voz aos impulsos de uma juventude necessitada de novidades.

Seu jeito inquieto fez com que ele acabasse os estudos com muita dificuldade e nada de faculdade! Seu pai João Araújo, produtor fonográfico, não queria que ele passasse o resto da vida sem profissão, então lhe arranjou um emprego. A partir daí, Cazuza trabalhou no departamento artístico da Som Livre, em assessoria de imprensa e até tentou ser fotógrafo, mas nada disso o satisfazia.

Ele era boêmio, rebelde e polêmico e isso só poderia torná-lo um astro do rock. Os pais até aceitavam sua idolatria por nomes como Jimi Hendrix, Janis Joplin e Rolling Stones, mas não conseguiam entender sua bissexualidade e o vício pelas drogas. O pai inclusive teve que livrá-lo de prisões e algumas fichas na polícia pelo uso e porte de drogas.

Enfim, ele, Cazuza, era a grande novidade. Tornou-se um cantor e compositor brasileiro e ficou conhecido como símbolo da sua geração no papel de vocalista e principal letrista da banda Barão Vermelho. Em 1982 lançou o seu primeiro disco, com o nome homônimo ao da banda, resultado de sua parceria com Frejat. Os principais sucessos deste disco são Todo Amor Que Houver Nessa Vida, Pro Dia Nascer Feliz, Maior Abandonado, Bete Balanço e Bilhetinho Azul.


Ainda na banda, ele lançou os discos Barão Vermelho 2 e Maior Abandonado, respectivamente em 1983 e 1984. Foi nesta fase que, durante um show no Canecão, Caetano Veloso apontou Cazuza como o maior poeta da geração e criticou as rádios por não tocarem suas músicas. O rótulo de "banda maldita" só abandonou o Barão Vermelho quando o cantor Ney Matogrosso gravou Pro Dia Nascer Feliz. Era o empurrão que faltava e, a partir daí, a banda ganhou vida pública própria.

Em 1985, ele saiu da Barão e resolveu se lançar em carreira solo. Foi então que ele se tornou um dos ícones da música brasileira. Dentre seus sucessos, destacam-se Exagerado, Codinome Beija-Flor, Ideologia, Brasil, Faz Parte Do Meu Show, O Tempo Não Pára e O Nosso Amor A Gente Inventa. Cazuza assinou os maiores hits do novo álbum: em parceria com Ezequiel e Leoni, o rock emblemático Exagerado, e a balada Codinome Beija-flor, com Ezequiel e Reinaldo Arias.


Com seu segundo álbum, Só se for a dois, ele acrescentou novos sucessos à sua carreira, como o pop-rock O nosso amor a gente inventa (estória romântica). Daí ele se jogou de cabeça em uma turnê nacional, que mostrou um show mais elaborado que os anteriores, em termos de cenário e iluminação. Cazuza se aprimorava e decolava: seus espetáculos lotavam, suas músicas tocavam e a crítica elogiava seu trabalho. Mas antes de estrear este show, ele já sabia que estava com AIDS.



Em outubro de 1987, Cazuza foi levado pelos pais para Boston, nos Estados Unidos, onde passou quase dois meses submetendo-se a um tratamento forte. Ao voltar, gravou Ideologia no início de 1988, um ano marcado pela estabilização de seu estado de saúde e pela sua definitiva consagração artística.

No segundo semestre do mesmo ano, o espetáculo de Ideologia se mostrou mais profissional e bem-sucedido. Dirigido por Ney Matogrosso, Cazuza tentou valorizar mais o texto no show, que era pontuado pela palavra "vida". Substituiu a loucura de suas performances anteriores por uma postura mais contida no palco. Mesmo assim não aguentou e exprimiu seu lado agressivo e escandaloso num episódio que causou polêmica: em um show no Canecão, no Rio de Janeiro, cuspiu na bandeira nacional, atirada por uma fã.


Em 1989, se declarou publicamente soropositivo. Foi o primeiro artista brasileiro a assumir a doença publicamente, ele dizia que um artista que cantava “Brasil, mostra sua cara” não poderia mentir para o seu público.

Depois de quatro meses se tratando de forma alternativa em São Paulo, Cazuza viajou novamente para Boston, onde ficou internado até março do ano seguinte. Seu quadro clínico já era extremamente delicado e, àquele ponto, não havia muito mais o que fazer. Ele enfrentou a doença publicamente, mas acabou tomado por ela no dia 7 de julho de 1990.

Seu enterro aconteceu no cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro, e sua sepultura está próxima à de outros astros da música brasileira como Carmen Miranda, Ary Barroso, Francisco Alves e Clara Nunes. Sua obra é eterna e imortal, e a legião de fãs que ele ainda tem, continuará sendo exagerada, jogada aos pés do artista!
reportágem retirada do portal msn.onne.com.br



Pequena homenagem para um poeta Exagerado que se foi cedo com Um Trem Para As Estrelas, O Tempo não pára e muita músicas e palavras belas ficarão pelos anos. Não estou aplaudindo o estilo de vida de Cazuza, que isso fique claro, não apoio, mas ele foi um poeta sensacional.
Depois de 20 anos de morte, e ainda consegue tocar todos com suas discografias. Quando comentei, ontem com meu pai, sobre a morte dele que tem 20 anos, ele me perguntou "Como ele seria se estivesse vivido até hoje?"
E se pensar bem, talvez teria escrito mais 15 versões para a música Brasil. O menino que nasceu como Agenor, mas virou Cazuza, viveu quanto tinha que viver e viveu intensamente. Tinha muita energia que acompanhamos nos vídeo que vemos de suas apresentações ou escutamos nas canções.

Valew Cajú!!!

(Renato Chaves)

Um comentário: